quinta-feira, novembro 02, 2006

SONETO

Soneto ao Fim

Pra onde foi a luz do que é Antigo?
Pra onde foram as almas dos Olhares?
Pra que abismo? que inferno? negros mares?
E este sonho? aonde vai? aonde sigo?

Muito bem... já que tudo está perdido
e pairam teus fantasmas pelos ares,
cantarei Fim por todos os lugares
e o que foi, sem jamais aqui ter sido...

O meu triunfo é estar-me nos teus braços,
vivo de morte, de sombra e de agouro
dos quais jamais irei fugir dos laços...

Vejo descendo uma deusa em negro e ouro
de que já tenho o beijo e o seu abraço
em febre e fúria de indomável touro.

Alessandro Reiffer

Um comentário:

Alessandro Reiffer disse...

Aí, que baita poema, hehehe! Valeu Marcelo, grande idéia a tua de ressuscitar o Death Frontier nos dia pós-modernos...